quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Assim segue

Já de cima fui para baixo
Bem de baixo do que via
Quando de cima mais queria
Ver o que mais em cima se escondia
Senti na descida que o embalo
Mais embala que alucina
Embala tanto que termina
Por terminar onde começou
Ou só andar, porque nunca parou
É assim que segue
Quem nunca sossegou
É assim que se segue
Rodopiando

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Toda máscara é chata

A saída da critica
O se esconder no insatisfeito
O se proteger no nada está bom
O cobrar para não ser cobrado
Viver sem ser criticado
É viver sem ser testado
Não se cresce nem se mexe
Estático, e como chato, padece
Acho triste, não me apetece

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Ela eu saquei sem sacar


E ela
Do jeito dela
Doce e tão bela
Aberta e tão sincera
Se vê e disso já se espera
Não saber o que virá
Não saber como será
Mas querer ali estar
Encontros são eventos
Daqueles cheios de acontecimentos
Daqueles que passam sem o tempo ver
Voam sem os segundos saber
Ela é especial
Tem um dom fenomenal
Ela transforma ao falar
Ao agir, ao chegar
Transforma quem precisa se transformar
Quem precisa evoluir, precisa desabrochar
Afinal, ela transforma quem pode respirar
Mas curioso, ela é mais, se é possível assim falar
Ela é de uma profundidade que vale explorar
Ela é de um mistério que não quer se revelar
Ela é reservada, e faz isso ao compartilhar
Porque ela tem muito a dar
E talvez sinta ser obrigação nisso focar
Mas pela forma, volume ou intensidade
Ela mesma não se permite conectar
Ela escolher o que quer deixar passar
Ou, em duvida, resolve se imobilizar
E, fico eu aqui a imaginar
Como consegue, quem vive pelas emoções
Pela razão se guiar
Quem cria pelo improviso
Na vida se planejar
Quem tantos transforma
Escolher quando mudar
Quem não se permite
Ao deixar levar
Talvez quem já se machucou
E não quer nisso voltar
Quem já errou
E se obriga agora acertar
Quem já se decepcionou ao tentar
E acha que o que tem pode bastar
Ou não conheço quem vos descrevo
Ou estive errado, ao observar

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Aos calmos, minha inquietude

É uma inquietação
De não poder, por não ter poder, aquietar
De querer, sem querer, se calar
De pensar, ao sentir, melhor rolar
E captar, ao divagar, o que vejo passar
É uma inquietação
De ficar ou voltar
De sentar ou levantar
De xingar ou celebrar
De planejar ou executar
De temer ou confiar
De hesitar ou continuar
De arriscar ou arriscar
De continuar ou não parar
De se dar sem pensar
Ou
Viver sem experimentar
É uma inquietação
Que me forca caminhar

domingo, 28 de outubro de 2012

Por vezes sem saída

As vezes
As aparências enganam
As obviedades falham
Os julgamentos se contradizem
As vezes, falar, não é ser escutado
Sentir, não é ser correspondido
Amar, não é ser amado
As vezes, torcer é o que resta
Sonhar é o que sobra
E acreditar, só acreditar, é a saída
Que não resolve, mas também não mata

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

A life beyond a regular life


I aspire to be something, to became something
I aspire to became an inspiration
To inspire others to aspire to be something
The only true possession I have is my life
And I want to dedicate it to a meaning
A life with a meaning
A meaning that don't start and end only with me
A meaning that don't win over someone loss
A meaning that means a better world for me and for you
My meaning is as close to be discovered, as close to be transformed.

domingo, 23 de setembro de 2012

A vida e o sentido em ter um sentido nela

A paz vive no sentido
A felicidade vive no sentido
A loucura vive na falta do sentido
A vida, só se vive, se com sentido
Seu sentido, não imposto, ensinado
Sentido aprendido após testado
Sentido expandido, não conformado
Sentido meio buscado, meio encontrado
Sentido não só pensado ou planejado
Sentido não só sentido ou idealizado
Sentido combinado, afinado
Sentido que acalma, quando perguntado
Afinal, qual o sentido da vida?